• Editado por: Edições Garupa 

    Tipo: Livro

    Autor: Caco Pontes

    Formato: 14 x 21cm

    Páginas: 100

    Acabamento: Acompanha um chip microSD com versão sonorizada do livro. 

    a ordem dos fatores ocultos

    R$ 30,00Preço
    • Um jogo de tarot: o louco, o mago, o diabo. Um sujeito fragmentado, afinado com o espírito do nosso tempo – nossa velocidade, nossa inexatidão – busca por autoconhecimento e elevação espiritual. Esta é a narrativa desse livro de Caco Pontes, o quarto do poeta. Divido em três blocos, ele avança em um percurso alucinado, onde a poesia é lugar de investigação do espírito; e a palavra, instrumento de conexão com a ancestralidade. Destaca-se um duplo diálogo com a tradição literária: por um lado, devolve-se à poesia seu poder de encantamento. Retoma-se certo aspecto ritualístico da oração. (Vale lembrar a dupla valência da palavra: oração, no latim oratio: discurso, linguagem, prece). E o posfácio de Mariana Perna lê com felicidade essas orações ao evocar as poéticas de Hilda Hilst, Allan Ginsberg e Octávio Paz, que também pensaram a poesia na chave do mistério. Nossos bruxos da palavra. Por outro lado, é nítida a conversa com poetas do corpo e da devassidão – recorrentes, mas, por vezes, marginalizados do nosso cânone: o uso de substâncias lisérgicas, a perambulação pela cidade bêbada e, ainda, a escolha por Claudio Willer para apresentar o livro, expoente recente dessa literatura brasileira. De certo modo, a comunhão e o mistério intrínsecos à palavra atravessam não só esse, mas todos os trabalhos de Caco. Atento à oralidade, de modo a não descolar voz e texto escrito, as performances que o poeta realiza há mais de década sempre revelaram esse estado anterior da linguagem. Não à toa, o leitor encontra em cada exemplar deste A ordem dos fatores ocultos um cartão de memória, no qual pode ouvir a performance desses poemas.

    • Uma espécie de viagem: na garupa da bicicleta, na carroça puxada a burro, pegar carona com um desconhecido em uma estranha em Johanesburgo. Desde 2016, a Garupa atua nas frentes impressa, digital e na elaboração de eventos, testando os limites tradicionalmente sobrepostos à poesia. Suas publicações físicas propõe uma investigação a respeito da poesia para além de seu suporte mais frequente, o livro. O que não significa negar o livro, mas torcer o objeto, investigando seus limites e alcances. Para isso, une-se a escala industrial à produção artesanal e, partindo de uma leitura atenta, onde edição é também trabalho crítico e de coautoria, pensa-se materialmente o texto. Os objetos que derivam desse trabalho agenciam outros sentidos no leitor – o livro, enquanto mídia e linguagem, mantém sua função de leitura, mas convoca também outras experiências.

      @garupaedicoes

      leiagarupa.com